Na salada ou no suco, no chá ou in natura, o gengibre tem a sua parcela de fãs que, atraídos pelo seu sabor, trazem grandes benefícios à saúde, ao consumi-lo. Mas, será mesmo que é verdade que se você consumir esse alimento com frequência, vai dar um “up” no seu apetite sexual?

A raiz amarelinha, com casca fina e consistência firme, tem seu espaço em diversas culturas gastronômicas mundo a fora. E, se o sabor e o aroma do gengibre não fossem bons o bastante, ele ainda reserva uma série de benefícios ao seu organismo.

Você já conhece os mitos e verdades que cercam o gengibre, principalmente quando dizem que ele é um afrodisíaco? É o que você vai descobrir neste post!

O gengibre estimula o sistema circulatório

R: Verdade!

O gengibre é um alimento da categoria de termogênicos. Ou seja, ele faz com que o organismo aqueça bastante para digeri-lo. O que você conhece na prática como aquela sensação de “pegando fogo”.

Essa sensação traz consigo o aumento da circulação sanguínea, que fica a todo vapor para metabolizar o alimento. Por si, esse efeito do alimento já deixa a pessoas mais dispostas a um momento picante a dois.

Faz mal ao estômago

R: Mito

Alguém já te disse que comer gengibre faz mal ao estômago e pode causar gastrite e outros problemas estomacais? Se ainda não, que bom, pois o alimento não tem esse efeito.

Pelo contrário, o gengibre ajuda a combater a bactéria produzida no estômago, H.pylori que entre outros problemas, aumenta o risco para a úlcera.

Além disso, quando consumido em doses frequentes, a raiz auxilia a combater gases e azia, melhorando a digestão. Para obter esse efeito, faça um chá com o gengibre, que pode levar mel e uma erva à sua escolha, como hortelã.

Desperta o apetite sexual

R: Verdade!

Esse é o ponto central da discussão se o gengibre é um alimento que ajuda a aumentar o desejo sexual, estimulando momentos prazerosos.

Essa é uma verdade. Mas não porque o alimento é uma espécie de “néctar dos deuses”, mas sim, porque reúne uma série de benefícios que, combinados, aumentam o apetite sexual.

Um dos motivos é aquecer o corpo, melhorando a circulação sanguínea. O que leva todo o corpo — incluindo as partes genitais — a terem maior fluxo sanguíneo.

A única parte dessa verdade que é um mito é que esse poder afrodisíaco é causado pelo aroma do gengibre. O cheiro do alimento pode ser muito bom e refrescante, mas só consumindo mesmo a raiz para estimular momentos quentes.

Ajuda a emagrecer

R: Verdade!

Pelo mesmo motivo de ser um alimento termogênico, que estimula o metabolismo a funcionar de modo acelerado, o gengibre também é parceiro para emagrecer.

Com o metabolismo funcionando mais rápido, todas as calorias geradas pelo consumo de todos os alimentos são queimadas nessa mesma leva. O que faz com que menos calorias se transformem em gordura pelo corpo — evitando o ganho de peso.

No final das contas, manter o peso em dia também acaba contribuindo para uma vida sexual mais saudável ainda. Mais um ponto quente da raiz.

É anti-inflamatório

R: Verdade!

O gengibre é um aliado no combate a problemas de artrite e artrose, com sua ação anti-inflamatória. Além de combater dores causadas por esses contratempos, a raiz também ajuda a diminuir dores musculares, e frear os efeitos de doenças respiratórias, como bronquite, asma e tosse.

Ou seja, o gengibre é perfeito para combater resfriados, gripes e doenças crônicas. Um remédio natural e acessível para qualquer pessoa que busca aliviar os sintomas ruins de qualquer desses problemas.

Provoca náuseas e vômitos

R: Mito

Alguém já te falou que depois de comer gengibre, teve enjoos e vontade de vomitar? Não foi por causa da raiz e, sim, por outro alimento que ela consumiu no mesmo momento.

Ao invés de trazer esses efeitos péssimos, o gengibre também tem uma propriedade antiemética, que nada mais é do que evitar o enjoo e vômito. Aliada a seu potencial de evitar problemas estomacais e melhorar a digestão, isso se torna seu outro grande diferencial.

Regula a pressão arterial

R: Verdade!

Com o consumo frequente de gengibre na dieta, seja in natura, batido em sucos, em chá ou mesmo em cápsulas ou comprimidos, a pressão arterial é beneficiada.

Esse efeito surge depois que o alimento causa o aquecimento do corpo e acelera o metabolismo, melhorando a circulação sanguínea.

Muito da hipertensão é causada pelo acúmulo de placas de gordura em artérias e veias, o que compromete a passagem do sangue. Com a fluxo acelerado depois de consumir o gengibre, parte dessa gordura é eliminada.

Precauções para o consumo do gengibre

Vale reforçar que o gengibre não deve ser simplesmente consumido em grande quantidade diária, por qualquer pessoa. Apesar de ele não ser um alimento tóxico, deve ser moderado para alguns grupos. Por exemplo, diabéticos e hipotensos.

No primeiro caso, a glicose, que é o açúcar do sangue, é muito diminuída por causa da aceleração do metabolismo. O que traz um descontrole entre a substância por mililitro de sangue, levando a queda brusca da glicemia.

Já no grupo dos hipotensos — pessoas com pressão baixa —, como a raiz regula a pressão, ele não é indicado para as pessoas que já tem a pressão baixa. Pois é perigoso que ela caia mais, provocando desmaios e acidentes.

Ademais, vale a pena se consultar com um médico ou nutricionista para conferir como a sua saúde se comporta ao consumir gengibre com frequência. Seja para usá-lo como um estimulante do apetite sexual como um aliado de dietas ou no combate a problemas de saúde, a raiz é perfeita.

 

"