A obesidade é um problema crônico e cada vez mais presente. Visto esse cenário, a procura por intervenções cirúrgicas vem crescendo. Logo, está se tornando comum o questionamento sobre quem pode fazer a cirurgia bariátrica, assim como tudo que envolve o tema.

Para você compreender melhor sobre o assunto, descubra os benefícios da cirurgia bariátrica e entenda de forma mais ampla suas complexidades, neste conteúdo exclusivo. Boa leitura!

 

O que é uma cirurgia bariátrica?

Denominada também como gastroplastia e cirurgia de redução de estômago, como a própria nomenclatura já denuncia, é um procedimento cirúrgico que visa reduzir a capacidade do órgão de receber comida. 

Isso leva a menos calorias sendo absorvidas e, consequentemente, a perda de peso. A bariátrica possui mais de um tipo de técnica. A mais simples não envolve nenhum corte ou modificação na fisiologia do sistema digestivo. 

Enquanto a mais complexa, leva a uma grande alteração na anatomia e funcionamento do estômago e outros órgãos. Iremos explorar com mais detalhes esses tipos de gastroplastia mais à frente.

 

Modalidades da cirurgia bariátrica

Como já adiantamos, as gastroplastias são divididas de acordo com o tipo de procedimento e o quanto ele é invasivo, ou seja, altera fisiologicamente o sistema. A escolha do procedimento é feita pela equipe cirúrgica, que vai avaliar o quadro do paciente, seu histórico e qual tipo de procedimento é o mais recomendado para sua necessidade.

Abaixo, conheça as principais e mais utilizadas modalidades da bariátrica:

Baypass Gástrico - Perda de até 35% do peso inicial:

Ela é a técnica mais adotada hoje no país, sendo responsável por 65% do total de gastroplastias realizadas no Brasil. Ela tem esse apelo, por ser considerada uma das mais eficientes, porém, mais seguras e menos invasivas.

O Baypass consiste na redução do estômago - realizado através do grampeamento de parte dele para reduzir sua capacidade. Enquanto isso, é feito um desvio na parte inicial do intestino, acelerando a digestão e aumentando a produção de hormônio da saciedade. 

Duodenal Switch - Perda de até 50% do peso inicial:

Por ser extremamente invasivo e recomendado em casos muito pontuais, esse procedimento corresponde a apenas 5% das bariátricas realizadas. Para se ter uma ideia de sua complexidade, é feita a retirada (sim, é cortado e extraído) de 85% do estômago. Além disso, também é feito o desvio intestinal.

Banda gástrica ou balão gástrico - Perda de até 30% do peso inicial:4

Não é feita uma alteração na fisiologia ou retirada de parte do órgão. Sendo considerada uma cirurgia reversível, ela corresponde também a 5% dos procedimentos realizados. Ao contrário das outras duas, não altera a produção de hormônios, mas sim apenas a capacidade do órgão.

Pode ser instalado um anel gástrico, ao redor do estômago, que facilita seu esvaziamento e diminui a quantidade de alimento absorvido. Enquanto no caso do balão, é feito a inserção do objeto, que aumenta a sensação de saciedade.

Lembrando que cada procedimento é recomendado pela equipe que vai acompanhar e realizar a cirurgia, ok? Cada procedimento tem suas complexidades, que vai aumentando também o tempo de recuperação.

 

E quem pode fazer a cirurgia bariátrica?

Uma crença que muitas pessoas têm é de só porque está acima do peso, vai conseguir apelar para a gastroplastia. Mas, a realidade é totalmente diferente: é preciso preencher uma série de requisitos rigorosos, com critérios bem definidos sobre a questão de saúde, tentativas de tratamento anteriores e acompanhamento multiprofissional.

Abaixo, confira as principais especificações que são avaliadas no momento de aprovação para uma cirurgia bariátrica.

Faixa etária

Aqui no Brasil, para ser elegível para passar pelo procedimento, pessoas com mais de 16 anos e menos de 65. Leva-se em conta os riscos da cirurgia, tempo de recuperação e complexidade fisiológica.

Para casos que fogem dessa regra, é preciso passar por uma intensa avaliação multidisciplinar, para ser autorizado.

Índice de Massa Corporal

As exigências também são específicas de acordo com o IMC do paciente. Para pessoas que tem o IMC de 35 a 40 kg/m², é preciso ter o agravamento de doenças graves ocasionadas pela obesidade, como a diabetes e hipertensão, por exemplo.

Para pessoas com IMC igual ou maior que 40 kg/m², sem perda de peso mesmo com tratamentos anteriores com acompanhamento de médicos e nutricionistas há pelo menos 2 anos, a presença de comorbidades fica dispensada.

Onde existe um IMC superior a 50 kg/m, a cirurgia é recomendada sem os pré-requisitos, basta não ter contraindicações.

Presença de comorbidades

Para os pacientes com IMC mais baixo, é preciso comprovar comorbidades, ou seja, doenças que são causadas ou agravadas pelo quadro. Alguns dos exemplos mais clássicos, são:

  • Diabetes tipo 2;
  • Hipertensão arterial;
  • Colesterol alto;
  • Apneia do sono;
  • Refluxo gastroesofágico, etc.

Acompanhamento multiprofissional

Mesmo preenchendo todos os requisitos anteriores, não o torna automaticamente aprovado para realizar a cirurgia bariátrica. Por ser uma intervenção invasiva, que altera funcionamento, estrutura e até produção de hormônios, o paciente precisa passar por um acompanhamento rígido.

Além da equipe cirúrgica, ele passa por:

  • Exames complexos, especialmente nutricionais, cardíacos e neuronais;
  • Consulta com cardiologista, para avaliar a capacidade cardiovascular;
  • Acompanhamento com nutricionista, para montar o pré-operatório e se preparar para a dieta pós;
  • Avaliação psicológica e psiquiátrica, para apresentar todo o impacto da operação na vida do paciente e também suas consequências.

Depois de passar por todo esse crivo, é finalmente dado o aval para a realização da cirurgia, garantindo sua maior eficácia e segurança.

 

E quais são os benefícios da cirurgia bariátrica?

Por fim, mas não menos importante, vamos abordar sobre os benefícios que apostar na gastroplastia pode trazer para você e sua saúde, para além de simplesmente perder peso. Confira:

  • Controle e remissão da diabetes tipo 2;
  • Aumento da capacidade e melhora de função cardiovascular;
  • Melhora a capacidade do sono ao combater a apneia;
  • Reduz problemas de mobilidade, como dores crônicas nas articulações;
  • Combate a síndrome metabólica;
  • Controla transtornos como depressão e ansiedade, entre outros.

Logo, se você está buscando fazer a gastroplastia, procure um médico de confiança e siga todos os procedimentos necessários, especialmente os acompanhamentos. Lembre-se que é uma cirurgia que vai mudar sua vida para sempre, assim como seus hábitos!