Quando se fala em quanto custa uma cirurgia bariátrica, logo vem a dúvida em relação a tudo o que ela envolve. E uma vez que a operação traz uma série de exigências tanto antes como especialmente depois de realizada, é preciso considerar cada fator. Assim, você terá um controle maior sobre os custos gerais e pontuais, gerados pelo procedimento.

Por ano, mais de 63 mil pessoas fazem a cirurgia bariátrica no Brasil, segundo dados da Sociedade Brasileira de Cirurgia Metabólica e Bariátrica. O que mostra que a medicina avançou muito, trazendo mais segurança ao procedimento e, principalmente, tornando-o acessível, mesmo quando é pago. Sim, é possível fazê-lo gratuitamente.

Neste post, você vai descobrir quanto custa, em média, uma cirurgia de redução de estômago, os diferentes sistemas para fazer esse procedimento, e os detalhes que envolvem a pré e a pós operação. Acompanhe!

Quanto custa uma cirurgia bariátrica?

Essa é, como dizem na linguagem popular, “a pergunta de 1 milhão de reais”. Pois bem, apesar de o procedimento ter um custo fixo em diversos sistemas, ele pode variar de pessoa para pessoa, por causa de uma série de variáveis.

Para começar a definir qual o valor de uma cirurgia bariátrica, deve-se levar em conta que há até 4 tipos do procedimento:

  •         Derivação biliopancreática: retira-se 85% do estômago, e é feito um desvio intestinal em seguida;
  •         Gastrectomia vertical: entre 70% e 85% do estômago é retirado, transformando-o em um tubo estreito, para pouca quantidade de alimento passar;
  •         Gastroplastia em Y de Roux: também chamada de bypass gástrico, reduz apenas 10% da capacidade do estômago, e desvia o canal por onde a comida passa, ao duodeno;
  •         Banda gástrica ajustável: um dispositivo feito em silicone é colocado no estômago, para reduzi-lo.

Além dessa variante do tipo de cirurgia que é feita, que depende das condições do paciente, já que cada perfil exige um procedimento diferente, há mais variáveis que influenciam no custo. Uma das principais, é onde e por qual sistema será feita a operação, que incide muito nos custos finais.

Nesse quesito, o procedimento pode ser feito, basicamente, em 3 tipos de sistemas: particular, pelo plano de saúde ou pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Particular

No particular, quanto custa uma cirurgia bariátrica está muito atrelado ao porte da clínica, tempo de experiência do cirurgião e suas respectivas especialidades, assim como até a região em que está o consultório. Fatores imobiliários e sociodemográficos influem bastante neste último critério.

Em média, em médicos particulares, o custo de uma cirurgia bariátrica fica entre R$20 e R$40 mil. Essa é a faixa de valor da cirurgia bariátrica mais praticada no mercado, não apenas pensando no custo e trabalho do médico cirurgião, mas sim, na estrutura que esse procedimento envolve.

Plano de saúde

É possível também realizar a cirurgia de redução de estômago, pelo sistema de plano de saúde. Nesses casos, cabe a cada paciente, checar se, dentro do plano contratado, o procedimento está incluso na cobertura.

Há planos que têm a cobertura total da cirurgia, enquanto outros, contam apenas com um subsídio para uma parcela da operação, enquanto a outra fica a cargo do paciente.

SUS

O Sistema Único de Saúde faz a cirurgia de redução de estômago nas redes, gratuitamente. Mas, para ser aprovado no programa é preciso passar por uma triagem, para avaliar a gravidade do nível de obesidade do paciente.

Com a avaliação, o paciente é conduzido a uma fila de espera, que pode levar desde alguns meses a anos, para ser aprovado e ter o agendamento. Mas, uma vez agendada, a cirurgia é feita.

Vale reforçar que o SUS realiza anualmente cerca de 17,8% de um total de mais de 60 mil cirurgias feitas no Brasil. O que mostra a segurança de se submeter ao tratamento pelo sistema público. O ponto negativo é a incerteza sobre o prazo da realização.

Quais são os custos pós-operatórios?

Para além de quanto custa uma cirurgia bariátrica em si, há diversos pontos que precisam entrar na contabilidade deste procedimento, para que o cálculo total seja feito. E desde o pré ao pós operatório, há muitos fatores que são de curta duração como de longa, que impactam no custo.

Vitaminas 

A cirurgia de redução de estômago faz com que o órgão não absorva a mesma quantidade de vitaminas e minerais como antes. Além disso, como o organismo tem o seu funcionamento alterado, o paciente também não pode consumir uma série de alimentos e bebidas — carnes e bebidas alcoólicas —, por um período.

Para evitar, entre outras deficiências vitamínicas, a deficiência de vitamina B12 no pós operatório de cirurgia bariátrica, é preciso usar suplementos com vitaminas e minerais concentrados.

Alguns dos suplementos ideais para consumo incluem multivitamínico e multimineral, fortificantes para cabelo — para evitar a queda após a cirurgia —, e vitamina D.

Uma forma de reduzir os custos com suplementos, é fazer as compras de combos que, em maior quantidade, têm o valor mais atrativo do que vitamínicos comprados separados.

Alimentação

Apesar de a alimentação ser um custo diário na vida de qualquer pessoa, o paciente bariátrico precisa incluir o valor de uma dieta programada por uma nutricionista. Afinal, é só gradualmente que a pessoa poderá consumir mais alimentos, enquanto que logo após a cirurgia, sua alimentação ficará restrita a uma dieta líquida. 

No entanto, com a adaptação gradual na alimentação e um programa elaborado de uma nutricionista, refaz todo o cardápio. Para que, assim, a nova dieta forneça os nutrientes necessários à boa recuperação do paciente.

Entram na lista de alimentos que devem ser consumidos com maior frequência, as frutas, legumes e verduras. Portanto, fazer compras e incluir esses alimentos na lista semanal, gera um novo custo de alimentação, que é fixo e vital à saúde. 

Exercícios físicos 

Uma programação de pós cirurgia bariátrica também envolve a prática de atividades físicas, pois, ainda que a pessoa faça a cirurgia, ela deve se prevenir para não voltar a engordar. E sim, o ganho de peso acontece com frequência depois do procedimento. Entenda por quê algumas pessoas voltam a engordar após a bariátrica.

Nesse sentido, o custo que envolve a prática esportes de baixo impacto, como hidroginástica, musculação, caminhada, bicicleta, entre outros, devem ser incluídos.

E assim como no caso da escolha de uma clínica particular para a cirurgia, cada local, professor e acessórios para fazer os exercícios físicos, tem seus custos. Estes que podem ser mais baixos ou elevados, dependendo dos padrões buscados.

Equipe multidisciplinar

Para além do tratamento com suplementos, alimentação balanceada e atividades físicas, que geram seus custos, é preciso também contar com o apoio em longo prazo, de uma equipe multidisciplinar.

A equipe é formada basicamente por:

  •         endocrinologista;
  •         nutricionista;
  •         psicólogo;
  •         psiquiatra;
  •         clínico geral.

Portanto, nos casos de consultas particulares, ou mesmo de uma cobertura de plano de saúde em que não haja convênio com os médicos da equipe multidisciplinar, os custos de alguns desses profissionais, deve ser acrescentado.

Como você pode ver neste post, apesar de quanto custa uma cirurgia bariátrica, seguir uma média no mercado, é possível que você consiga preços maiores ou menores, ou até mesmo de graça — pelo sistema público de saúde. Em todos os casos, leve especialmente os custos do pós operatório.