Fazer uma cirurgia bariátrica nem sempre é a opção mais segura e viável para algumas pessoas que sofrem com a obesidade. Para isso, a gastroplastia endoscópica é um meio eficiente de devolver qualidade de vida com a redução de peso.

Aprovada em 2017 pela Anvisa como um dos métodos para perder peso de forma consistente e rápida, o procedimento é uma novidade para muitas pessoas no Brasil. Afinal, a já conhecida cirurgia bariátrica é popular no país, feita tanto por sistemas de saúde privados quanto públicos.

Como o que é novo desperta curiosidade, descubra neste post o que é gastroplastia endoscópica, para quem é indicada, cuidados e contraindicações para sua aplicação!

O que é a gastroplastia endoscópica?

A cirurgia de gastroplastia é um procedimento para a redução de peso, de forma não invasiva. Ou seja, não requer cortes e processos que envolvem uma cirurgia. Todo o processo é feito via oral, com a introdução de um aparelho específico.

Com tempo de recuperação curto, a técnica garante a perda de 20% a 30% do peso total. Vale reforçar que o método é irreversível e não traz o risco comum de cirurgias de redução de estômago, que é o retorno ao peso antes do procedimento.

Como o procedimento é feito?

A gastroplastia endoscópica é feita por um cirurgião que usa um aparelho similar ao de endoscopia, para alcançar o estômago por meio da boca do paciente. Assim, o médico manipula o equipamento que costura as paredes internas estomacais.

O objetivo das suturas — fechamento — é deixar o estômago menor, em formato tubular, reduzindo sua capacidade em até 60%. O resultado dessa redução é que a sensação de saciedade aparece rapidamente e dura por mais tempo.

O tempo da realização da gastroplastia vertical, como também é chamada, vai de 45 a 90 minutos, em média, e exige anestesia geral para ser feita.

Ainda, uma equipe multidisciplinar acompanha o paciente do pré ao pós-operatório, que inclui nutricionista, psicólogo, educador físico e endocrinologista.

Para quem a gastroplastia endoscópica é indicada?

A gastroplastia endoscópica é voltada para muitos grupos de pessoas, inclusive até a quem já se submeteu a cirurgias do tipo e que ainda assim, precisa perder mais peso.

Veja a quem o procedimento se destina:

  • pessoas com Índice de Massa Corporal (IMC) entre 30 e 40, que devem perder entre 10kg e 30kg, de maneira gradual e saudável;
  • obesos mórbidos que não podem ser submetidos a outro tipo de cirurgia como a bariátrica, com a ressalva da perda de peso inferior a outros métodos;
  • pessoas com dificuldades para emagrecer por meios mais prolongados como dietas, prática de atividades físicas ou o uso de medicamentos;
  • quem já realizou a operação bariátrica ou mesmo a gastroplastia endoscópica, mas não obteve o resultado desejado. No primeiro grupo, o reganho de peso pós-cirurgia é um dos motivos.

 

 

 

Quais são os cuidados pós-procedimento?

Alguns cuidados são imprescindíveis para uma excelente recuperação depois de passar pela gastroplastia vertical endoscópica. As poucas e simples recomendações ainda facilitam mais a adesão do tratamento pós-procedimento.

Repousar nos 3 primeiros dias após a operação

É preciso fazer o repouso total nos 3 primeiros dias depois do procedimento, para que não haja o risco de os pontos estourarem. Também, por causa dos possíveis sintomas colaterais que incluem náuseas, é necessário ficar em descanso.  

Usar medicamentos se necessário

Se for preciso, nos primeiros meses será recomendado pelos profissionais da equipe multidisciplinar, o uso de medicamentos. Que tanto podem servir para frear eventuais efeitos colaterais como prevenir infecções no estômago e outras complicações.

Evitar levantar peso

Também pelo motivo de evitar que os pontos no estômago se rompam, não é recomendado levantar pesos e fazer esforços físicos, por pelo menos 6 semanas.

O prazo é chamado de “período crítico”, em que os pontos estão se cicatrizando. E uma vez cicatrizados, as paredes do estômago ficam coladas de forma irreversível.

Seguir a dieta

A alimentação é estipulada gradualmente do líquido para o sólido, conforme os dias passam depois da operação. Assim, é preciso seguir estritamente a dieta que a nutricionista responsável recomendar, para que a recuperação seja rápida.

Não consumir ou evitar ao máximo bebidas alcoólicas

As bebidas alcoólicas podem causar desconforto gástrico se forem consumidas durante o “período crítico”. O que pode levar a náuseas e vômitos que comprometem a cicatrização do estômago.

Fazer acompanhamento médico

O acompanhamento médico com o cirurgião leva até 6 meses para um monitoramento exato da evolução do quadro. Já a observação de um nutricionista é precisa por até um ano, para que a adaptação a novos hábitos alimentares seja gradual e com boa adesão do paciente.

Se preciso, fazer correções plásticas no abdômen

Alguns pacientes precisarão passar pela abdominoplastia pós-gastroplastia. A operação remove pele e gordura excedente após o procedimento, além de devolver parte da rigidez dos músculos da área.

Quais são os sintomas do pós-operatório?

Alguns sintomas podem aparecer, ainda que raros, depois da gastroplastia endoscópica. Náuseas e dores locais podem ocorrer, mas de forma bastante amena e curta, muito diferente dos efeitos pós-operação bariátrica.

Para aliviar a situação, o médico responsável poderá receitar alguns medicamentos de uso pontual, que em pouco tempo resolvem os eventuais e raros incômodos.

Quais são as contraindicações para a operação?

Há contraindicações para a cirurgia de gastroplastia, para alguns grupos de risco para o procedimento.

A operação é contraindicada para pessoas:

  • acima de 65 anos;
  • que tiveram problemas de estômago, como úlcera;
  • que usam medicações anticoagulantes para controlar lesões estomacais;
  • que sofrem de bulimia e problemas alimentares;
  • com transtornos psiquiátricos graves.

 

 

 

 

 

Existem riscos para o procedimento?

Como em qualquer procedimento médico, tanto invasivo como não invasivo, há riscos da gastroplastia endoscópica. Contudo, eles são ínfimos comparados aos da cirurgia bariátrica.

A hemorragia é um deles e pode acontecer durante a cirurgia, porém, é logo estancada com os pontos. O outro risco é o da anestesia, inerente a qualquer procedimento que a exija.

Já outros riscos maiores são a embolia pulmonar e a trombose, porém, esses estão relacionados a condições do paciente, como tabagismo e obesidade, eximindo a cirurgia.

Seguir todas as recomendações pré e pós-cirurgia com cautela é a melhor forma deter uma recuperação de sucesso. Ademais, mesmo a cirurgia de gastroplastia sendo um método relativamente novo no Brasil, já se mostra uma alternativa viável e muito segura a diversas pessoas.

Confira também nosso post com 6 coisas que você não sabia sobre a cirurgia bariátrica!

"