Não é preciso ser nenhum expert em saúde para entender que o corpo humano precisa de inúmeros nutrientes para se manter “firme e forte”. Por isso, chegou o momento de entender qual a função do DHA! Sim, esta é uma substância descoberta há pouco tempo, mas que já conseguiu provar para os especialistas a sua grande eficácia.

O nome, de origem inglesa, consiste na abreviatura de docosa-hexaenoic-acid — um ácido graxo da mesma categoria do famoso Ômega 3, e que pode ser encontrado em peixes de águas frias. Mas afinal, qual a sua função no organismo e importância para o bem-estar do indivíduo?

Caso não faça ideia, saiba que abordaremos exatamente este tema no post de hoje. A seguir, entenda o que é DHA, a sua função e os diferenciais no corpo humano. A leitura é rápida e valerá a pena!

O que é EPA e DHA: desvendando os nutrientes

Em geral, costumamos dizer que o EPA e o DHA são compostos específicos, presentes no óleo de diferentes espécies de peixe, tais quais o salmão, o atum, a sardinha, o bacalhau e a truta. De acordo com os especialistas, as substâncias são classificadas como uma gordura “do bem” e fazem parte da cadeia do Ômega 3.

Uma vez presente na quantidade adequada em uma alimentação, o DHA consegue proporcionar diversos benefícios para o organismo — especialmente, para o cérebro que ainda está se formando, como o dos recém-nascidos e crianças pequenas.

Nos últimos anos, o composto começou a ser amplamente estudado por conta do seu poder de atuação nos neurônios do cérebro humano. Fato este, que fez com que a Organização Mundial de Saúde (OMS), passasse a recomendar a ingestão de, em média, 200 mg do DHA por dia e sem nenhuma restrição de idade.

“E o EPA?” — você deve estar se perguntando. Bem, tal nutriente também surge durante o processo de produção do DHA, mas apresenta função diferente no organismo. Aqui, o foco é nas ações anti-inflamatórias e no combate a diferentes doenças circulatórias.

Benefícios DHA

Existem muitas vantagens ao ingerir essa substância ao longo da vida. Como falamos, o DHA atua principalmente no sistema nervoso, conseguindo favorecer — e muito — o nosso cérebro. Portanto, entre os diferenciais do composto, destacamos:

  • concentração: o DHA é capaz de estimular o foco, ainda mais, em se tratando de crianças e jovens. Quando presente em altos índices na corrente sanguínea, o indivíduo se vê mais apto para ler, se concentrar e realizar diversas outras atividades;
  • visão: a substância consegue fortalecer a retina, diminuindo as chances de problemas oculares e fazendo com que a visão tenha um desempenho melhor;
  • aprendizado: ao ter contato com o cérebro, o DHA forma uma capa de gordura, também conhecida como mielina. Tal estrutura auxilia na comunicação estabelecida entre os impulsos nervosos do sistema nervoso. Diante disso, é possível afirmar que o componente consegue oferecer benefícios incríveis para a memória do indivíduo, assim como, a sua aprendizagem e absorção do conhecimento.

O DHA na alimentação moderna

Conforme os estudos sobre o DHA vão se desenvolvendo, mais fica claro o fato de que, em muitas situações, os adultos precisam suplementar a alimentação do dia a dia com fórmulas ricas nesse nutriente.

Para o público adulto, a recomendação é a de ingerir 200 mg da substância diariamente. E em maioria, o tradicional cardápio do norte-americano contém cerca de 100 mg de DHA/dia. Ou seja, uma quantia muito abaixo daquela recomendada pelos especialistas.

Agora, vamos aos exemplos. Um filé de salmão costuma apresentar, aproximadamente, 1,4 g desse ácido graxo. Logo, a melhor saída é que esse tipo de peixe faça parte do seu menu, no mínimo, duas vezes por semana. Também há a possibilidade de combiná-lo com gemas de ovo — ingrediente este, que contém pequenas porções do nutriente.

Outras fontes de DHA

Após entender para que serve DHA e os seus benefícios, também é bacana explorar outras fontes alimentares do composto. Fora os peixes, o elemento pode ser encontrado em diferentes ingredientes, facilitando assim, a sua ingestão com o passar dos dias. São eles:

  • algas: algumas algas podem conter DHA e também EPA;
  • ovos: as versões orgânicas apresentam pequenas quantias de DHA. Contudo, é possível encontrar no mercado algumas opções que são enriquecidas com o componente, apresentando até 57 mg por unidade.

Mas atenção: em muitos casos, esses alimentos não são indicados para indivíduos alérgicos. Nessas condições, o ideal é optar por outras fontes, sendo a suplementação uma excelente pedida.

O suplemento de DHA: mais praticidade em sua rotina

Para aqueles que não conseguem ingerir os ingredientes indicados ou que, simplesmente, necessitam de uma dose extra da substância, indicamos o Belt DHA.

Rico em óleo de peixe e com altíssima concentração do nutriente, o produto é muito recomendado para mulheres gestantes e que desejam prezar ao máximo pelo desenvolvimento do bebê.

A opção ainda conta com o selo MEG-3® — garantia de qualidade e um nível de pureza elevado. Ao investir nesse tratamento, será possível desfrutar de diferentes vantagens. Veja:

  • possibilidade de otimizar a memória;
  • prevenção do Alzheimer;
  • proteção do sistema cardiovascular;
  • melhor cognição;
  • prevenção de partos prematuros;
  • prevenção da depressão pós-parto;
  • mais foco e facilidade no aprendizado;
  • excelente desempenho cerebral, tanto para mãe, quanto para o bebê.

O Belt DHA é feito em cápsulas gelatinosas. Por isso, você precisará consumi-lo com água ou qualquer outra bebida de sua preferência. 

A recomendação, é tomar duas cápsulas por dia, mas, em caso de dúvida, considere conversar com um médico de sua confiança. Somente um profissional capacitado e que já conhece o seu histórico de saúde poderá indicar as melhores soluções.

Viu só? Quando conhecemos a função do DHA, conseguimos ter mais consciência sobre quais ingredientes consumir para aproveitar os seus benefícios. E se você precisa de uma suplementação, mas não sabe onde encontrar um bom produto, não deixe de dar uma espiadinha na loja virtual da Belt Nutrition. Estamos te esperando!