Meu nome é Eduardo Trombini, tenho 34 anos, sou consultor de informática. Sou uma pessoa que fez cirurgia bariátrica e entende muito bem de todo o processo, desde a decisão de fazer a cirurgia até o pós-cirurgia. Neste post vou contar um pouco sobre quem eu sou e como está sendo minha experiência com a redução do estômago.

Peso pré-cirurgia, comorbidades e dificuldades

Eu tinha 131,5 kg, nenhuma comorbidade (apenas um pouco de pressão alta) e várias dificuldades. Comprar roupas, por exemplo, era um martírio. Mas isso era o de menos. Após a cirurgia, percebi que a minha mobilidade era muito afetada e eu achava que era uma condição normal. Depois da cirurgia, minha alimentação é balanceada, rica em proteínas e sempre complementada com suplementos. O meu suplemento preferido é o Belt +23, que além de mastigável, tem um sabor muito agradável. Por ser mastigável, o Belt +23 ajudou após a cirurgia, pois eu tinha dificuldade em engolir comprimidos.

A motivação para fazer a cirurgia bariátrica

Aproximadamente 2 anos antes de realizar a cirurgia, por conselhos de amigos que já haviam feito a operação, fui atrás de informações. Porém, tive uma dificuldade inesperada que muitas pessoas poderão se identificar: o plano de saúde que eu tinha não liberou minha cirurgia, mesmo com o IMC 42. Após um tempo, minha esposa ficou grávida. Então, pensei em ser um exemplo para aquela pequena pessoa que iria nascer. Fizemos um novo plano de saúde e fui atrás da cirurgia novamente. Operei quando minha filha tinha apenas 5 meses.

Quais os maiores medos pré-cirúrgicos?

Eu já tinha em mente que quando acordasse no centro cirúrgico, seria outra pessoa. Isso talvez gerasse mais expectativa do que medo em mim. Como eu sempre pesquisei bastante sobre a cirurgia bariátrica e conversava muito com pessoas que já haviam sido operadas, fui para o procedimento munido de muitas informações, o que acredito que tenha deixado pouco espaço para o medo. Outra coisa que me ajudou foi que eu sempre tive em mente que a cirurgia seria um marco na minha história e, depois dela, eu teria que mudar completamente meu estilo de vida, especialmente para que o reganho de peso não fosse nem uma possibilidade. As coisas comuns que escuto até hoje, por exemplo: “como vou comer?”, “será que vou poder tal coisa?”. Isso também gera um certo receio, afinal, é uma mudança gigante.

Algum arrependimento referente a cirurgia?

Não me arrependo em nada referente a cirurgia bariátrica. Utilizar o procedimento como um empurrão para uma nova vida, com o respaldo de familiares e bem planejada, só me trouxe coisas boas. Por isso, para mim, não há do que se arrepender.

Mudanças de vida após a cirurgia

Fonte: instagram.com/bariatric_life

Fonte: instagram.com/edu_trombini

Acho que não é exagerado dizer que tudo mudou na minha vida. Costumo dizer que os 3 pilares mágicos do pós-cirurgia são:

  • DIETA
  • PRÁTICA REGULAR DE EXERCÍCIOS FÍSICOS
  • EXAMES MÉDICOS PERIÓDICOS

Mudando estes 3 pilares, como eu aceitei o desafio de mudar, você automaticamente mudará de vida. Passei a fazer sempre boas escolhas alimentares, tornando minhas refeições mais funcionais. Nesta busca por refeições melhores e mais completas, também adquiri muito conhecimento sobre os alimentos, o que acabou promovendo uma melhora na saúde de todos a minha volta. Passei a manter um rotina de exercícios físicos, o que tornou minha vida muito mais ativa. Espero que minha experiência sirva de inspiração para todos que estejam, tanto pensando em fazer a bariátrica, quanto para aqueles que já passaram pelo procedimento e estão adaptando suas rotinas para uma vida nova e mais saudável. Se você tiver alguma dúvida, continue pesquisando e conversando com pessoas que já passaram pela cirurgia. Informação nunca é demais, não é mesmo?

Siga o Eduardo Trombini nas redes sociais:
Facebook | Instagram