Dores na região genital durante o sexo são incômodos que prejudicam muito a qualidade de vida de homens e mulheres. E se você sofre com esse problema, saiba que ele tem nome: dispareunia. Mas, o que tem nome tem solução, e existem diversos meios de acabar com esse contratempo e ter uma vida sexual ativa com muita saúde.

A dispareunia afeta ambos os sexos, mas tem maior prevalência nas mulheres. Entre suas causas estão a vagina pouco lubrificada, alergia a produtos como géis íntimos e preservativos, tumores pélvicos e causas psicológicas. Vale reforçar que há ainda 4 tipos do problema: primária, secundária, situacional e generalizada.

Agora você sabe o que é dispareunia, deve ler este post com 10 formas de lidar com o problema, para reconquistar uma vida sexual saudável!

1. Usar pomadas anestésicas para dispareunia

Caso a dispareunia seja do tipo primária, ou seja, superficial, o uso de pomadas anestésicas antes do ato sexual é indicado. O que impede que mesmo dores leves na região apareçam e diminuam o prazer e a qualidade do momento.

Os produtos tem ação em poucos minutos sob a região em que as dores se encontram, e devem ser usados pouco antes da relação. Assim eles terão seu efeito atingido antes da penetração.

2. Consumir alimentos afrodisíacos

Alimentos afrodisíacos como a maca peruana, e a mistura entre açaí e guaraná são potentes estimulantes sexuais. Como consequência, as regiões íntimas são estimuladas, aumentando libido e a lubrificação natural da área.

Ou seja, apesar de o afrodisíaco em si não ter efeito diretamente para livrar a dor, ele estimula a lubrificação da vagina, que reduz as chances de dores aparecerem, em casos de ressecamento da área.

3. Realizar uma cirurgia de remoção de tumores e nódulos

A cirurgia é um método mais invasivo e direcionado apenas por médicos, diante da constatação de tumores, cistos e outros protuberâncias que causam dores no genital.

Nesses casos, a remoção total ou parcial do nódulo é pedida pelo médico, a fim de eliminar a dispareunia feminina ou masculina. Depois, a relação sexual pode ser retomada apenas quando for liberada pelo profissional responsável.

4. Tomar analgésicos e outros medicamentos

Alguns casos de dispareunia podem ter como causa infecções causadas por bactérias, vírus ou mesmo fungos. Logo, essas condições devem ser tratadas com medicamentos como analgésicos, antibióticos e anti-inflamatórios, para extinguir o problema de origem biológica.

Esses casos exigem exame por ginecologista e dermatologista que, quando comprovam esse tipo de causa, podem recomendar além de medicações, pomadas e géis específicos para a área.

5. Passar lubrificante íntimo

Essa forma de tratamento para dispareunia é voltada para mulheres que têm problemas de ressecamento na região. Usar lubrificantes íntimos é uma maneira de, a princípio, tratar o contratempo. Mas se caso ele persistir ou mesmo se agravar, é preciso contar com apoio profissional.

Alguns lubrificantes podem funcionar melhor para algumas pessoas, enquanto outros não. Por esse motivo, é recomendado que você faça uma consulta também, para avaliar se o produto escolhido é adequado ao seu corpo.

6. Cuidar do corpo e da mente

O estresse e o cansaço físico estão entre algumas das causas da dispareunia. Portanto, cuidar desses dois aspectos trará além de um sexo livre de dores, a garantia de uma maior qualidade de vida.

Entre formas de manter-se com o corpo e mente sã estão: praticar atividades físicas, alimentar-se com produtos saudáveis e praticar algum hobby. Ler, escrever, assistir a filmes, cozinhar, são exemplos.

7. Buscar ajuda com um terapeuta sexual

Por vezes, a dispareunia tem raízes emocionais por diversas origens. Uma delas pode ser a própria relação com o parceiro ou parceira, por isso, é preciso buscar apoio psicológico especializado.

Levar o problema a um terapeuta sexual trará além de um maior acolhimento do casal sobre a situação, um reforço no relacionamento dentro e fora do sexo.

Também, entre as causas psicológicas que podem desencadear a dispareunia estão: traumas, medo de rejeição no sexo, sentimento de culpa e tabus sobre o ato.

8. Praticar fisioterapia pélvica

A fisioterapia pélvica ajuda a relaxar e a estimular os genitais, trazendo além de um reforço para os músculos da área, a prevenção de doenças. Existem técnicas voltadas exclusivamente para quadros de disfunção sexual — entre elas, a dispareunia. Assim, elas devem ser orientadas por profissionais da área.

Exercícios de relaxamento respiratório e alongamentos dos músculos da região pélvica são algumas das técnicas usadas para o tratamento de dispareunia.  

9. Fazer preliminares

Preliminares muito curtas ou mesmo a ausência delas diminui o nível de excitação e, consequentemente, de lubrificação da vagina.

10. Testar outras posições

Algumas posições são causas da dispareunia, então fazer outras posturas no ato é uma maneira de evitar esse problema. Nesse sentido, busque canais de leitura sobre o assunto, e recomendações de terapeutas do sexo para entender quais são formas mais relaxadas de transar. Assim você irá, com o tempo e prática, entender melhor o seu corpo, o do parceiro e como atingir o melhor no momento — para os dois e sem dor.

Vale reforçar que cada caso de dispareunia terá causas e tratamentos diferentes, portanto, nunca baseie a sua condição em situações de outras pessoas.

Portanto, esse conteúdo serve como um guia para alertar você sobre algumas das causas do problema e possíveis tratamentos para dispareunia. No mais, sempre consulte o seu médico e relate o que está havendo no momento do sexo. Isso dará a segurança da avaliação clínica correta e do que fazer para acabar com a dor.

 

"